Compartilhe e espalhe coisas boas!

Mauricio Bueno abre as portas da weme para batermos um papo sobre Design Thinking

Dizem que sempre há algo para aprender quando se sabe fazer as perguntas certas, né? Pois então! Em nosso novo quadro decidimos testar essa máxima com personalidades e especialistas das mais diversas áreas.

Senhoras e senhores, é com muito orgulho que apresentamos hoje o PapoSoul, nosso especial quinzenal de entrevistas.

Para a primeira edição, invadimos o QG da weme e conversamos com Mauricio Bueno, diretor geral da empresa.

Em nosso bate papo, Mauricio nos contou sobre Design Thinking, uma proposta interessante e disruptiva de pensar seus negócios e projetos.  Ficou curioso? Dá uma conferida aí =)

Quem é Mauricio? E quem é a Weme? 

Mauricio Bueno, diretor da Weme

Foto por Família Coelho Studio

Eu sou formado em comunicação social. Desde então, os projetos me levaram para uma especialização mais voltada para gestão de negócios e minha última formação foi em Design Thinking.

Sobre a weme, acho que a melhor de explicação aquilo que a gente acredita e que a gente faz, vem do próprio nome. “we” vem de “nós” e “me” vem de mim. Aqui acreditamos que o indivíduo está intimamente ligado ao coletivo. Existe uma relação de interdependência entre ambos, né? Então a gente acredita que a relação é capaz de transformar e promover evoluções. Tudo que fazemos é para apoiar relações mais relevantes e mais autênticas, principalmente entre marcas e pessoas. Para isso, nós desenvolvemos projetos para marcas e projetos de gestão, independente da origem e do que será feito, mas sempre pensando em apoiar a implementação de marcas e relações.

Como se iniciou o Design Thinking e em que ele consiste?

O Design Thinking vem do que chamamos de “Human-Centered Design”, que é você projetar as coisas pensando e colocando o ser humano no centro das suas decisões.

O cara que primeiro começou a falar disso foi David Kelley. Ele é um professor da Stanford University, um engenheiro mecânico e um designer. Basicamente, a metodologia pensada por ele te ajuda a resolver problemas de uma forma diferente em sua rotina e no seu dia a dia.

Quando pensamos na palavra “design”, geralmente a gente associa a uma cadeira bonita, uma decoração ou design gráfico. Na verdade, ela é muito mais ampla. Quando falamos em “design”, falamos em projetar. E quando usamos a cabeça de um designer para projetar, seja um processo, um produto ou um serviço, a gente coloca o ser humano no centro das decisões. Fazemos esse processo de forma colaborativa, em time e sempre testamos de forma bem rápida.

Basicamente, o Design Thinking é uma metodologia de inovação para resolver problemas de uma forma diferente no seu dia a dia.

A importância do Design Thinking nos dias atuais

Mauricio Bueno, diretor da Weme

Foto por Família Coelho Studio

Hoje vivemos uma mudança de era. Estamos passando da Era Industrial para Era do Conhecimento. Nós nos colocamos muito como agentes que apoiam empresas e marcas nessa evolução. Os problemas que nós temos na Era do Conhecimento não podem mais ser resolvidos com as soluções que temos da Era Industrial, né?

Então é fundamental termos novas ferramentas e novas soluções que sejam mais rápidas, que tragam flexibilidade, que deem autonomia para as pessoas e que todos possam trabalhar por um propósito. Em nossa busca por ferramentas diferentes, nós encontramos o Design Thinking. Ele é uma das ferramentas que utilizamos e, na minha opinião, é a ferramenta mais adequada para nossa era, do ponto de vista da inovação.

Que caminho um empreendedor deveria percorrer para implementar o Design Thinking em seu negócio?

Mais importante que apenas o processo de Design Thinking, é o mindset que ele traz, as coisas que você precisa ter em sua cabeça para trabalhar com essa metodologia.

Empatia acima de tudo, você se colocar no lugar do outro. Você projetar pensando nele e não de acordo com suas necessidades pessoais.

Você trazer o time, fazer isso de forma colaborativa, trazer as pessoas para de fato participarem dos projetos.

E você prototipar e experimentar sem medo de errar.

O processo em si é muito simples. A grande dificuldade que qualquer empreendedor vai ter na hora de implementar um projeto utilizando a metodologia, vai ser um problema cultural. Seja do indivíduo ou um problema cultural da organização. Por que? Pois ele exige essa mudança de mindset. 

Para seguir o processo é muito simples, ele foi feito para ser simples. Pois dessa forma a pessoa percebe que é possível você ser criativo e resolver problemas de forma diferente seguindo etapas. Antigamente tínhamos aquela separação de “eu sou criativo”, “eu não sou”. Isso não importa no Design Thinking. Você vai seguindo os passos e, ao final, gera uma solução. Para isso são necessárias algumas quebras de paradigmas:

Eu tenho que acreditar que vou conseguir chegar lá.

Eu tenho que ser empático.

Preciso experimentar sem medo de errar.

Tenho que focar em fazer.

Eu tenho que promover trabalho em equipe.

A maior dificuldade do empreendedor não é nem fazer o processo, mas fazer essa mudança inicial de mindset.

Para implementar a metodologia, comece aos poucos. Comece exercitando a empatia em seus serviços, em seus processos, na maneira com que você faz a gestão de pessoas. Evoluindo, traga novas ferramentas para trabalhar em equipe, comece a experimentar protótipos e testar suas ideias, antes mesmo delas estarem 100% prontas. Se você começar colocando passo a passo, o Design Thinking se tornará mais simples de ser implantado.

Você tem alma de quê?

Bom, minha família tem muitos médicos. Meu avô foi médico, meus tios são médicos, meu pai é da área da saúde. E com isso na minha história familiar, eu comecei minha vida profissional estudando medicina. Estudei até o 3º ano mas percebi que não era aquilo que eu queria fazer. Só que… algo que eu queria continuar fazendo da medicina era ajudar as pessoas a viver de forma mais equilibrada, de uma forma melhor.

Hoje, na weme, eu consigo exercitar um pouco desse propósito tratando a relação que as pessoas têm com as empresas. Seja como colaborador ou seja como cliente. Os negócios têm uma capacidade enorme de fazer a sociedade evoluir e, consequentemente, promover uma vida melhor para as pessoas. Eu acredito que negócios mais relevantes, negócios mais autênticos, consequentemente trazem melhor qualidade de vida para as pessoas. É nisso que trabalhamos todos os dias.

Fotos por Bernardo Coelho da Família Coelho Studio

Gravação e pós edição por Daniel Outeiro da Infinity Design.

Compartilhe e espalhe coisas boas!